Novela em Destaque: Mais sobre o fracasso "Amor e Revolução"!

Enredo
Ambientada no Rio de Janeiro e em São Paulo, a trama tem início com a Revolução de 1964 e perpassa pelo período mais obscuro da ditadura militar, os chamados anos de chumbo. “A intenção é narrar a história de personagens diretamente ligados ao tema da ditadura, seja a favor ou contra, como militares, guerrilheiros, torturadores, artistas, jornalistas, advogados e estudantes nos anos brutais da repressão. É possível que avancemos até a guerrilha do Araguaia, no começo da década de 70”, observa Tiago Santiago.
“Amor e Revolução” conta a grande história de amor vivida pelo militar José Guerra e pela guerrilheira Maria Paixão, casal protagonista do folhetim. À primeira vista, o amor entre os dois é impossível, pois Maria é líder do movimento estudantil e vai para a luta armada, e José Guerra é um militar da Inteligência, contra a ditadura, democrata, porém filho de um general da linha-dura. Os dois têm rivais: o jovem dramaturgo de esquerda Mario Vieira e a bela e glamorosa atriz Miriam, e surpresas podem acontecer.
A história da luta armada pelos ideais da democracia e liberdade no Brasil tão vivida por Batistelli e Jandira, casal coprotagonista de subversivos perseguidos pela repressão, desde o primeiro momento do golpe; a violência aos direitos humanos e abuso de poder por parte do delegado Aranha , do inspetor Fritz, e dos militares Major Filinto e General Lobo Guerra; a luta pela liberdade de expressão por meio da arte e da imprensa; a desagregação de famílias; a força de estudantes engajados que defendem a igualdade social no país; e as atrocidades cometidas contra os presos políticos são alguns dos temas abordados por Tiago Santiago em torno da trama central.
A novela levanta discussões sobre as mudanças comportamentais na década de 60, como a liberação da mulher após a pílula, o feminismo, o movimento hippie, a cena teatral e musical, as transformações provocadas pela moda, entre outras revoluções culturais dos anos 60.

Lançamento e repercussão
O jornalista e crítico Leonardo Ferreira do jornal-site Extra começou elogiando a abertura da trama, dizendo: “O melhor momento do primeiro capítulo […] ficou para o fim: a abertura. Ao som de “Roda viva”, de Chico Buarque, ela mostra jornalistas, estudantes e outros personagens sumindo em cena, numa alusão aos desaparecidos ou capturados pelo regime militar.”, o mesmo crítico, diz que o maior pecado do capítulo foi a direção, e diz que as atuação ainda não são julgaveis, mas destacou as atrizes Patricia de Sabrit e Gabriela Alves como as melhores. O crítico Mauricio Stycer, do site UOL, disse que a produção era “Uma boa novela”, comentou sobre o depoimento final “Essa posição ficou explícita no final do primeiro capítulo, encerrado com o emocionado depoimento da ex-presa política Maria Amélia Teles, cujos filhos, então crianças, a viram ser torturada. Foi o momento mais impressionante em um capítulo frouxo, que deixou no ar a dúvida se “Amor e Revolução” será capaz, mesmo com todo o vento a seu favor, de seduzir o público.” Mauricio acabou a crítica dizendo “O primeiro capítulo de “Amor e Revolução” foi, enfim, frustrante. Um tema ótimo, num bom momento, não é o suficiente para segurar uma novela.”

Audiência
O capítulo de estreia não teve uma grande audiência, mas não decepcionou a emissora, pois marcou uma média de 7 pontos, mantendo os números estáveis da novela anterior, A História de Ana Raio e Zé Trovão. Teve picos de 9 pontos no Ibope, e ficou em terceiro lugar na audiência, atrás de Globo e Record.
Na primeira semana a novela apenas perdeu audiência. No terceiro capítulo, a novela teve 6 pontos de média no Ibope de São Paulo, empatando com a Band em audiência.
Em menos de um mês no ar, como as cenas de tortura e violência não agradaram muito ao público, e o foco do autor passou a ser mais dividido com humor e romance, sem deixar de abordar o tema da ditadura.

Beijo entre duas mulheres
A cena do beijo gay entre as personagens Marcela e Marina, foi erroneamente tratada como a primeira da história da teledramaturgia brasileira – em duas oportunidades anteriores, um beijo entre duas pessoas do mesmo sexo foi exibido em uma obra de ficção brasileira: em 1963, num teleteatro apresentado pela TV Tupi e em 1990, na minissérie Mãe de Santo, exibida pela Rede Manchete. Nenhuma telenovela brasileira havia, até então, exibido uma cena semelhante. Previsto originalmente para ser exibida no dia 11 de maio, a cena viria a ser exibida somente no dia seguinte, e causaria um leve acréscimo na audiência média da telenovela.

Reação dos militares
Logo após a estreia, um grupo de militares pediu o fim da exibição da novela ao Ministério Público Federal através de um abaixo-assinado apresentado pelo Portal Militar, por não concordarem com o que estava sendo exibido. Em 18 de abril, o pedido foi arquivado. O autor do abaixo-assinado é José Luiz Dalla Vecchia, membro da diretoria da Associação Beneficente dos Militares Inativos da Aeronáutica (ABMIGAer). O documento acusa o governo federal de ter feito um acordo com o SBT para facilitar a aprovação da Comissão Nacional da Verdade, em troca de anular a dívida do Banco Panamericano, de Silvio Santos, dono da emissora.
De acordo com Thiago Santiago, o abaixo-assinado é “despropositado”, uma vez que “a novela é respeitosa com as Forças Armadas, mostrando herói militar e oficiais democratas, a favor da legalidade”. Ele disse ainda que o argumento de que a novela estaria relacionada com o saneamento do banco PanAmericano também não procede. “A proposta partiu de mim para o SBT e não vice-versa. Comecei os trabalhos antes de saber que havia qualquer problema com o banco e antes de saber também que a presidente Dilma Rousseff seria eleita”, declarou. Santiago ainda disse que a tentativa de querer tirar a novela do ar “interessa apenas aos criminosos, torturadores e assassinos, que violaram as convenções de Genebra, nos chamados anos de chumbo da ditadura militar”.

Na próxima semana tem mais, muito mais!
Anúncios

Publicado em 24 de junho de 2012, em novela em destaque. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: