Arquivo da categoria: novela em destaque

Novela em Destaque: Chiquititas Brasil!

Chiquititas Brasil, é uma adaptação da original argentina, escrita pela também autora da original Cris Morena com a ajuda de autores brasileiros, produzida pelo SBT e pelo canal argentino Telefé, e foi uma das telenovelas mais longas da dramaturgia brasileira, tendo 5 temporadas e ficando no lugar da mexicana Maria do Bairro, indo ao ar de 22 de julho de 1997 a 19 de janeiro de 2001. Fechou com 5 temporadas. As gravações da 6ª temporada ja haviam começado, mas devido a saída de Cris Morena a Telefe, as gravações foram canceladas e a novela encerrou na 5ª temporada. De 22 de novembro de 2004, a 9 de abril de 2005, foi ao ar uma curta reprise da primeira temporada em 117 Capitulos, mas por Sílvio Santos não haver pago os direitos autorais pelas reprises das temporadas brasileiras, a novela saiu do ar antes mesmo de terminar a reprise desta temporada. Em 2007 o SBT exibiu Chiquititas 2000, a sexta temporada. Mas exibiu a versão original. A 7ª temporada não foi exibida pelo fato da temporada só poder ser exibida na Argentina e Israel. No ano seguinte, 2008 o SBT exibiu uma nova temporada de Chiquititas, Chiquititas 2006, que recebeu o título de Chiquititas 2008.

Primeira temporada (1997-1998)
A primeira temporada foi de 28 de julho de 1997 a 31 de julho de 1998 e contou com duas partes. A primeira começa quando Emília deixa a direção do orfanato, que passa a ser controlado por Cinthia, que disputa o poder sobre as crianças com a malvada Carmem. Neste ponto, a música de abertura é “Remexe”, que aparece no primeiro CD. Carolina chega à direção do orfanato. As crianças enfrentam também a rigorosa e linha-dura, porém bondosa Ernestina, que quer controlar a vida das crianças. Destaque também para a amizade das meninas Mili, Tati, Vivi e Pata, e o segredo que Pata esconde de todos: ter um irmão escondido no orfanato, um menino de rua conhecido como Mosca, que depois de descoberto passa a fazer parte da turma. A segunda parte é marcada pela chegada de personagens como Maria, Polliana, Marian e Fernando Brausen (par romântico de Carol). A reprise exibida de 22 de novembro de 2004 a 9 de abril de 2005 nas tardes do SBT foi somente da primeira temporada.

Segunda Temporada (1998)
Essa temporada marca a entrada de vários personagens,como: Marian, Poliana, João Pedro e Thiago. Entra também Roberta, espiã de Miguel (pai de Mili.Carmen continua querendo vender o orfanato Raio de Luz e agora conta com a ajuda de Marian para fazer suas maldades. A abertura dessa tamporada foi Mexe Lá.

Amanhã vamos falar sobre a 3ª, 4ª e 5ª temporada da trama.
Às 4 da tarde!
Anúncios

Novela em Destaque: "Dona Beija"!

Dona Beija foi uma telenovela histórica brasileira exibida pela extinta Rede Manchete, no ano de 1986. Escrita por Wilson Aguiar Filho e dirigida por Herval Rossano, teve 89 capítulos e trilha sonora de Wagner Tiso.
Foi exibida entre 7 de abril a 11 de julho de 1986, e reprisada em duas oportunidades: a primeira de 9 de maio a 20 de agosto de 1988, em 89 capítulos, e a segunda de 5 de outubro de 1992 a 11 de março de 1993, com 102 capítulos. Também foi reprisada pelo SBT de 6 de abril de 2009 a 4 de julho de 2009.

História
A trajetória da corajosa Ana Jacinta de São José, a Dona Beija, na cidade mineira de Araxá, no século XVIII.
Amando Antônio Sampaio, homem de família conservadora e tradicional, Beija é vítima do desejo de Mota, o ouvidor do Rei em visita a Araxá. Depois de presenciar a morte do seu avô, Beija é raptada e levada para a vila de Paracatu, onde o ouvidor mora em um belo casarão. Para vingar-se do seu algoz, quando ele está fora de casa, Beija serve aos homens que a desejam em troca de jóias e ouro. Chamado pelo imperador a instalar-se na Corte, Mota deixa Beija, que a essa altura já juntara uma grande fortuna. Ela parte de volta para Araxá para encontrar sua grande paixão, Antônio.
Mas Antônio já não esperava mais por Beija. Desiludido e não compreendendo mais as atitudes da sua amada, ele casa-se com a doce Aninha, moça frágil e delicada que sempre o amou. Com a recusa de Antônio, Beija promete não amar a nenhum outro homem e funda a Chácara do Jatobá, um bordel refinado onde ela se transforma num mito como cortesã, escandalizando todas as famílias conservadoras de Araxá. Seu intuito maior era ferir Antônio.
A chácara prospera, Beija se torna poderosa, envolve-se com João Carneiro de Mendonça, mas não consegue se desligar de Antônio, o homem de sua vida. Até que uma tragédia acontece, Beija manda um escravo chamado Ramos matar Antônio, ela se arrepende de mandar matá-lo, mas o crime acontece. Ela vai a julgamento mas é absolvida devido a mudança no depoimento de Ramos. Desiludida, Beija deixa Araxá e recomeça uma vida honesta.

Curiosidades

Bruna Lombardi chegou a ser cogitada para o papel principal, que acabou com Maitê Proença, se transformando num dos maiores sucessos da carreira da atriz.

A Manchete resolveu investir pesado no ramo telenovela, investindo US$ 2 milhões na produção.

Dona Beija era apenas a segunda novela produzida pela Manchete.

O sucesso de Dona Beija colocou a Rede Manchete, que tinha apenas 3 anos de existência, em 1985, em destaque no cenário televisivo internacional, num período tão curto de vida.
Cenas da Novela
Amanhã “Maria Mercedes” dá o ar da graça. Às 4 da tarde!

Novela em Destaque: Devia voltar, "Floribella"!

Floribella foi uma telenovela e banda musical brasileira produzida pela Rede Bandeirantes em parceria com a Cris Morena Group, da criadora Cris Morena, e a RGB Entertainment, da diretora Elisabetta Zenatti. Sua versão original é Argentina intitulada Floricienta escrita por Gabriela Fiore e Solange Keoleyán com a adaptação de Jaqueline Vargas e Patrícia Moretzsohn.
Apresentou como protagonistas Juliana Silveira, Roger Gobeth (1ª), Mário Frias (2ª), Maria Carolina Ribeiro e Suzy Rêgo como antagonistas centrais. No elenco estavam nomes como: Bruno Padilha, Zezé Motta e Vic Amor Militello.
Voltada para pessoas de todas as idades, o folhetim teve sua estreia adiada em 1 mês e estreou no dia 4 de abril de 2005. Sua primeira temporada terminou em 25 de novembro de 2005. A novela teve um grande êxito, o que foi uma grande surpresa se tratando de uma emissora que há muito tempo não produzia novelas, Com o sucesso da primeira temporada foi feita a segunda temporada, que foi ao ar de 23 de janeiro a 12 de agosto de 2006.
A novela foi ambientada no Rio de Janeiro e gravada no Polo de Cinema e Vídeo. Na segunda temporada teve como cenário praias cariocas.
A primeira temporada foi reprisada pelo canal pago Disney Channel de 16 de Outubro de 2006 à 8 de Junho de 2007 às 12h30 de segunda à sexta-feira e a Segunda temporada de 2 de Junho de 2008 à 30 de Janeiro de 2009 às 11h30 de segunda à sexta-feira. Houve também uma breve reprise da 1ª temporada exibida em 60 capítulos pelo extinto canal a cabo RGT. A novela foi exibida nos EUA pela Band Internacional. Teve a 1ª temporada reprisada pela Band entre 2007 e 2008.

Sinopse
Maria Flor é uma jovem meiga e sonhadora que tem um jeito único de encarar a vida, com seu jeito descontraído, estabanado e seu dicionário próprio. Flor, como é chamada pelos amigos, perdeu a mãe muito nova enquanto seu pai ela acredita estar viajando em alto mar e que um dia ele voltará. Assim desde cedo Flor aprendeu a se virar sozinha, contando apenas com a ajuda de sua madrinha Titina e o filho dela Batuca, seu melhor amigo e quase irmão. Nas horas vagas Flor curte com seus amigos Di Caprio, Tati, Juju e Batuca nos ensaios da banda, mas Flor briga com a vocalista da banda e ela acaba ficando no lugar dela.
Enquanto isso na casa dos Fritzenwalden, depois de Bruna ter feito Helga ser internada, os irmãos ficam sozinhos e organizam uma festa para comemorar a última noite de liberdade e chamam a banda e Flor para tocar. Os garotos são órfãos e o responsável pela família é o mais velho, Frederico. Para tomar conta dos irmãos e dos negócios da família, Fred foi obrigado a abandonar os estudos na Alemanha e os sonhos também. Transformou-se em um homem severo e rígido, infeliz e resignado com seu destino. Durante essa festa tudo dá errado e Frederico chega e acaba se encontrando com Flor.
Por causa de um série de mal entendidos Flor acaba indo trabalhar de Babá na casa dos Fritzenwalden. Assim como o príncipe que encontrou o sapatinho de cristal, a princesa e a felicidade, Fred redescobre a alegria por causa de Flor. A vida dos mais novos também muda radicalmente com a chegada da moça. Principalmente quando descobrem que nas horas vagas Flor canta num grupo musical e começam a participar da banda sonhando com um futuro diferente do que Frederico imaginou para eles.
Tudo se complica quando Malva, madrinha de Frederico e viúva de Armando Bittencourt, fica sabendo que o marido deixou toda a herança para sua filha bastarda, Maria Flor. Então, Malva decide eliminar Flor e casar Frederico de uma vez por todas com sua filha mais velha, a bela e cruel Delfina. No estado emocional em que Frederico se encontra, teria sido fácil para Malva alcançar seu objetivo, mas sempre surge alguma coisa boa que muda o rumo da história. É aí que aparece o amor no nosso conto de fadas moderno. Flor apaixona-se por Frederico e ele por ela. Mas apesar de todos os esforços de Malva e Delfina para separa o casal, o amor entre eles só aumenta.
Depois que Flor descobre ser filha de Armando e irmã de Delfina, Malva tem a idéia de usar isso contra Flor. Delfina se finge de moribunda e faz seu “último pedido” a Flor: que ela deixe Frederico. Fragilizada Flor aceita e pede para que Frederico case-se com Delfina. Mas Frederico acaba descobrindo e mentira e desmascara Delfina e Malva em plena cerimônia. Com pressa para anular seu casamento civil com Delfina Fred tem que ir a Alemanha, mas antes disso todos os amigos organizam um casamento simbólico entre Flor e Fred.
Frederico vai para a Alemanha desfazer seu casamento com Delfina, mas seu avião nunca chega ao destino, Frederico morreu. A notícia pega todos de surpresa menos Delfina, que já sabia de tudo, e ela fica se achando a dona de tudo por ser viúva legitima de Frederico. Mas as fadinhas de Flor têm algo planejado, elas fazem o Conde Máximo Augusto assinar um documento assumindo a guarda dos Fritzenwalden antes da morte de Frederico, tornando o Conde dono de tudo.
O Conde chega à casa dos Fritzenwalden da mesma maneira que Frederico chegou quando conheceu Flor com um ramalhete de flores amarelas, Flor fica intrigada com aquele homem misterioso, mas ela logo descobre que se trata de um homem machista mulherengo e arrogante. Que fará de tudo para se livrar das responsabilidades que lhe foi incumbida. Mas com o tempo Maximo vai se aproximando dos Fritzenwalden e se apegando a eles.
Flor tenta a todo custo ter a sua parte na herança do seu falecido pai Armando, para conseguir ter a tutela dos Fritzenwalden, mas Malva e Delfina fazem de tudo para impedir-la de receber sua parte, mas o que elas não sabem é que para elas receberem a herança elas têm que estar unidas, o que causará muita confusão.
Batuca precisou vender o salão da sua mãe para conseguir cobrir os gastos do seu restaurante, mas foi enganado e o que recebeu em troca foi o material de uma rádio, que com a ajuda de Flor, Martinha e Di Caprio conseguiram transformar numa rádio de verdade, a Rádio Beijos, que trará muita alegria e diversão a todos.
Ao saber que o Conde se tornará rei Delfina tentará seduzi-lo, com a ajuda do seu marido Luciano, pois há algum tempo atrás Delfina se casou e pensou que o casamento não valeu, então se casou com Frederico e cometeu o crime de Bigamia, e em troca de não contar nada Luciano quer metade de tudo que Delfina tiver.
Com o tempo e a convivência o Conde vai se encantando cada vez mais com Flor, e Flor descobrirá que por trás da postura arrogante do Conde há uma boa pessoa, pela qual Flor vai se apaixonando a cada dia, mas tanto o Conde quanto Flor tentam negar esse amor, mas é inútil, pois aos poucos Flor vai tendo que tornar Frederico uma lembrança e ter que tomar o seu rumo e amar novamente. Agora Flor vai ter uma segunda chance de ser feliz e provar que os finais felizes não só existem nos contos de fadas.

Cenas da Novela
Semana que vem tem mais!

Novela em Destaque: A saudosa "Carinha de Anjo"!

Carinha de Anjo foi uma telenovela mexicana exibida no Brasil pelo SBT de 9 de julho de 2001 à 23 de fevereiro de 2002. Em Portugal passou na RTP1 de 24 de setembro de 2001 a 19 de outubro do mesmo ano. Regressou a 30 de setembro de 2002 terminando a 20 de dezembro do mesmo ano.
Tinha Daniela Aedo, Miguel de Leon, Lisette Morelos, Nora Salinas, Juan Pablo Gamboa e Ana Patricia Rojo nos papeis principais.

Sinopse
Dulce Maria (Daniela Aedo) é, como o seu nome, uma doce menina de 5 anos cheia de alegria e bons sentimentos. Com a morte de sua mãe, seu pai, Luciano Larios (Miguel de León), afunda em depressão e dor, e decide ficar longe de tudo e todos. Dulce Maria é internada em uma escola de freiras chamada “Rainha da América”, ele então parte para o estrangeiro deixando tudo aos cuidados do seu irmão Gabriel (Manuel Saval), que é um sacerdote.
A única visita que a menina tem é de sua amada tia Stephanie (Nora Salinas), a quem carinhosamente chama de “Tia Peruca”. Todas as freiras na escola de Dulce Maria tem por ela uma grande ternura, em especial a irmã Cecília (Lisette Morelos) e a noviça Fabiana (Adriana Acosta), que são suas cúmplices em todas as suas engraçadas travessuras, que também são permitidas de certa forma pela Madre Superiora (Libertad Lamarque), diretora do colégio que é sempre consciente das responsabilidades e disciplinas que devem ser cumpridas, embora mostrando grande coração e preocupação com o bem-estar de todos aqueles que a rodeiam.
Dulce Maria tem um lugar secreto na escola conhecida como “O Quartinho Velho”. Aqui, vem a imaginação na vida dos pequenos, ela vê e fala com a sua mãe Angélica (Marisol Santacruz), de quem ouve maravilhosas histórias. Após uma ausência de dois anos, Luciano anunciou seu retorno ao México e Dulce Maria se sente muito feliz com a notícia. Mas sua alegria ao ver seu pai acaba quando ela percebe que ele está acompanhado por uma mulher que ela imediatamente não inspira confiança, Nicole (Ana Patricia Rojo), que está noiva de Luciano, que é uma mulher frívola ela só quer o dinheiro.
Para ela, Dulce Maria não é mais do que um aborrecimento, e seu plano é o de afastar a filha de Luciano. A pequena Dulce Maria não quer perder o carinho de seu pai, e ela pressente que ele não vai ser feliz Nicole, propõe-se a implementar um plano para acabar com o compromisso de Luciano.
Dulce Maria acredita que a pessoa ideal para ser sua nova mãe é a irmã Cecília, e tem uma súbita idéia de virar o Cupido entre o pai e a bela noviça. Luciano percebe que, na realidade, não é amor o que ele sente por Nicole, e sente uma crescente atração por Cecília. Ela, por sua vez, percebe que sua vocação religiosa se enfraquece diante do amor por Luciano, e terá que decidir entre tomar os votos religiosos ou abandoná-los e ouvir a voz do seu coração.

Curiosidades
Devido ao seu grande sucesso a novela ganhou reprise de 12 de maio de 2003 a 2 de janeiro de 2004, na faixa das 17h30.
O sucesso da novela fez com que Daniela Aedo viesse para o Brasil.
A personagem Dulce Maria virou boneca.
Última novela em que a atriz e cantora Libertad Lamarque trabalhou, em que faleceu enquanto a trama estava sendo gravada. Sua personagem, a Madre Superiora, foi embora em “retiro espiritual”. Em seu lugar entrou Silvia Pinal.
Com o seu sucesso na época, o SBT Music, lançou um CD contendo as músicas da novela, sendo que nenhuma delas ultrapassava um minuto e meio de duração, a não ser a abertura.

Cenas da Novela

Amanhã, “Floribella” será o destaque da vez.
Não deixe de ver!

Novela em Destaque: De Lauro Cesar Muniz na Globo, "Transas e Caretas"!

Transas e Caretas é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida de 9 de janeiro a 21 de julho de 1984 às 19h, e foi apresentada em 167 capítulos.
Escrita por Lauro César Muniz, com a colaboração de Daniel Más, e dirigida por José Wilker e Mário Márcio Bandarra, com supervisão de Paulo Ubiratan.

Enredo
Dona Francisca Moura Imperial, sentindo-se distante da realidade dos filhos, faz uma cirurgia plástica e fica vinte anos mais jovem em aparência, disposta a se dar melhor com os mesmos. Os dois rapazes, Jordão e Thiago, apesar de irmãos, são totalmente diferentes:o primeiro gosta de viver como no século XIX, com pensamentos monarquistas e até uma mucama pessoal, Dorinha; já o segundo é totalmente moderno, contando em sua casa com um robô, Alcides, como seu mordomo, além de outras coisas do que há de mais revolucionário. Ambos, porém, mantêm uma mesma idéia: jamais se casarem. Dona Francisca, então, contrata a jovem Marília para casar-se com um deles e dar-lhe um neto que prossiga o nome da família e os negócios. Marília torna-se noiva de Jordão, mas se apaixona por Thiago, iniciando o mote inicial da novela.

Curiosidades
Exibida entre 9 de janeiro e 21 de julho de 1984 em 167 capítulos.
Transas e Caretas marcou a volta de Lauro César Muniz à Rede Globo como autor titular, após um afastamento de quase cinco anos, depois de Os Gigantes, de 1979.
A personagem Ana, interpretada por Aracy Balabanian, que era infeliz no casamento com Marcos (Jece Valadão), se envolveria com Renato (José de Abreu), mas a censura interveio. Renato saiu de cena por algum tempo e as cenas de Ana foram reduzidas.
A atriz Betty Faria foi escalada para interpretar a dançarina Liana, que se envolvia com Jordão, mas, quando ia começar as gravações de seu papel, optou por ir para o elenco da telenovela “das oito”, Partido Alto, da qual Christiane Torloni também participou, como Selma. No lugar de Betty, entrou Lady Francisco. O nome de Betty apareceu nos créditos em metade da novela.
Paulo Betti fez muito sucesso como o ambicioso pintor Dirceu Valente. Devido a isso, o ator emendou logo a telenovela seguinte, Vereda Tropical. Nesta, seu personagem, o advogado Marco, seria diametralmente oposto a Dirceu, o personagem anterior.
Eva Wilma interpretava a mãe de José Wilker e Reginaldo Faria em Transas e Caretas, mas a diferença de idade entre Eva e Reginaldo (4 anos) e entre Eva e José (12 anos) é mínima. Justamente por isso, foi usado o recurso da plástica na personagem de Eva, dando um charme à história.
O texto da novela foi vendido para o Chile e lá foi adaptado como Trampas y Caretas, em 1992, um grande sucesso no país.
O primeiro capítulo foi antológico e contou com o casamento entre Tiago (José Wilker) e uma macaca. Tudo não passava de mais uma brincadeira sem graça do moderninho.
Destaque para a trilha internacional repleta de sucessos como Ebony Eyes de Smokey Robinson e Rick James, Joanna, do conjunto Kool & the Gang, Let’s Stay Together de Tina Turner e Victims, da banda Culture Club.
Mal dá pra perceber, mas é Raul Gazolla, antes de ser ator de novelas, bem jovem, que aparece correndo no videogame na abertura.

Cenas da Novela

Aos sábados e domingos, 5 da tarde, o palco das novelas é aqui, no “Novela em Destaque”!

Novela em Destaque: "Guerra dos Sexos"!

Guerra dos Sexos é uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 19 horas pela Rede Globo, entre 6 de junho de 1983 a 6 de janeiro de 1984 em 185 capítulos, substituindo Final Feliz e sendo substituida por Transas e Caretas. Escrita à quatro mãos por Sílvio de Abreu e Carlos Lombardi, a novela abordou, conforme o nome indicava, os conflitos entre homens e mulheres.
Dirigida por Jorge Fernando e Guel Arraes apresentou Fernanda Montenegro, Paulo Autran, Maria Zilda, Glória Menezes, Tarcísio Meira e Lucélia Santos nos papéis principais.
Foi reapresentada de 2 de janeiro de 1989 a 6 de junho de 1989 na Sessão Aventura com 112 capítulos.
A Rede Globo decidiu criar um remake da novela para 2012 e terá autoria novamente de Sílvio de Abreu e direção de Jorge Fernando. No elenco confirmado já os atores Tony Ramos, Irene Ravache, Glória Pires, Edson Celulari, Reynaldo Gianecchini, Mariana Ximenes, Bianca Bin, Eriberto Leão, Drica Moraes, Thiago Rodrigues, Paulo Rocha, Guilhermina Guinle, Daniel Boaventura, Mayana Moura, Luana Piovani e outros.

Enredo
Essa comédia rasgada tem como mote a disputa entre homens e mulheres. Cada grupo tentando provar ao outro sua superioridade. Tudo começa quando os primos Charlô e Otávio (que se tratam pelos apelidos jocosos de Cumbuca e Bimbo e tiveram um tumultuado namoro na adolescência) recebem como herança de seu tio Enrico a cadeia de lojas Charlô’s e a mansão onde moram.
Os atritos entre os primos, tanto em casa como no escritório, tornam essa convivência impossível. Charlô faz a Otávio uma proposta: um dos herdeiros deverá abrir mão de sua parte em nome do outro, numa arriscada aposta de cem dias, período que Charlô e sua equipe têm para elevar o lucro das Lojas Charlô’s (gravada no Shopping Eldorado) em uma percentagem estipulada. Caso contrário ela perde tudo. Começa aí uma verdadeira guerra dos sexos. De um lado, Otávio e Felipe; do outro, Charlô, Roberta Leone e Vânia.
Felipe é filho adotivo de Charlô. Forma com Otávio uma dupla trapaceira e ardilosa, capaz de tudo para impedir o objetivo de Charlô, Roberta e Vânia. Elas, porém, não contam com a traição de Carolina, sobrinha de Roberta e filha do engraçado casal Nieta e Dino. Ela é, na verdade, uma forte aliada de Otávio. A jovem se envolve com Felipe, fazendo-o romper seu antigo romance com a bela Vânia, que tenta desmascarar Carolina a qualquer preço. Otávio e Felipe ainda contarão com a ajuda da ambiciosa Verusca, ex-secretária e amante de Vitório Leone, falecido marido de Roberta.
Já Juliana, filha de Felipe, rompe o caso com o fotógrafo Fábio, por estar apaixonada pelo motorista Nando, disputando-o com a irmã Analu e depois com Roberta Leone, que, mesmo com a diferença de idade, luta para conquistá-lo e consegue.

Amanhã, a novela “Transas e Caretas” será lembrada aqui.
Não deixe de ver!

Novela em Destaque: Mais sobre o fracasso "Amor e Revolução"!

Enredo
Ambientada no Rio de Janeiro e em São Paulo, a trama tem início com a Revolução de 1964 e perpassa pelo período mais obscuro da ditadura militar, os chamados anos de chumbo. “A intenção é narrar a história de personagens diretamente ligados ao tema da ditadura, seja a favor ou contra, como militares, guerrilheiros, torturadores, artistas, jornalistas, advogados e estudantes nos anos brutais da repressão. É possível que avancemos até a guerrilha do Araguaia, no começo da década de 70”, observa Tiago Santiago.
“Amor e Revolução” conta a grande história de amor vivida pelo militar José Guerra e pela guerrilheira Maria Paixão, casal protagonista do folhetim. À primeira vista, o amor entre os dois é impossível, pois Maria é líder do movimento estudantil e vai para a luta armada, e José Guerra é um militar da Inteligência, contra a ditadura, democrata, porém filho de um general da linha-dura. Os dois têm rivais: o jovem dramaturgo de esquerda Mario Vieira e a bela e glamorosa atriz Miriam, e surpresas podem acontecer.
A história da luta armada pelos ideais da democracia e liberdade no Brasil tão vivida por Batistelli e Jandira, casal coprotagonista de subversivos perseguidos pela repressão, desde o primeiro momento do golpe; a violência aos direitos humanos e abuso de poder por parte do delegado Aranha , do inspetor Fritz, e dos militares Major Filinto e General Lobo Guerra; a luta pela liberdade de expressão por meio da arte e da imprensa; a desagregação de famílias; a força de estudantes engajados que defendem a igualdade social no país; e as atrocidades cometidas contra os presos políticos são alguns dos temas abordados por Tiago Santiago em torno da trama central.
A novela levanta discussões sobre as mudanças comportamentais na década de 60, como a liberação da mulher após a pílula, o feminismo, o movimento hippie, a cena teatral e musical, as transformações provocadas pela moda, entre outras revoluções culturais dos anos 60.

Lançamento e repercussão
O jornalista e crítico Leonardo Ferreira do jornal-site Extra começou elogiando a abertura da trama, dizendo: “O melhor momento do primeiro capítulo […] ficou para o fim: a abertura. Ao som de “Roda viva”, de Chico Buarque, ela mostra jornalistas, estudantes e outros personagens sumindo em cena, numa alusão aos desaparecidos ou capturados pelo regime militar.”, o mesmo crítico, diz que o maior pecado do capítulo foi a direção, e diz que as atuação ainda não são julgaveis, mas destacou as atrizes Patricia de Sabrit e Gabriela Alves como as melhores. O crítico Mauricio Stycer, do site UOL, disse que a produção era “Uma boa novela”, comentou sobre o depoimento final “Essa posição ficou explícita no final do primeiro capítulo, encerrado com o emocionado depoimento da ex-presa política Maria Amélia Teles, cujos filhos, então crianças, a viram ser torturada. Foi o momento mais impressionante em um capítulo frouxo, que deixou no ar a dúvida se “Amor e Revolução” será capaz, mesmo com todo o vento a seu favor, de seduzir o público.” Mauricio acabou a crítica dizendo “O primeiro capítulo de “Amor e Revolução” foi, enfim, frustrante. Um tema ótimo, num bom momento, não é o suficiente para segurar uma novela.”

Audiência
O capítulo de estreia não teve uma grande audiência, mas não decepcionou a emissora, pois marcou uma média de 7 pontos, mantendo os números estáveis da novela anterior, A História de Ana Raio e Zé Trovão. Teve picos de 9 pontos no Ibope, e ficou em terceiro lugar na audiência, atrás de Globo e Record.
Na primeira semana a novela apenas perdeu audiência. No terceiro capítulo, a novela teve 6 pontos de média no Ibope de São Paulo, empatando com a Band em audiência.
Em menos de um mês no ar, como as cenas de tortura e violência não agradaram muito ao público, e o foco do autor passou a ser mais dividido com humor e romance, sem deixar de abordar o tema da ditadura.

Beijo entre duas mulheres
A cena do beijo gay entre as personagens Marcela e Marina, foi erroneamente tratada como a primeira da história da teledramaturgia brasileira – em duas oportunidades anteriores, um beijo entre duas pessoas do mesmo sexo foi exibido em uma obra de ficção brasileira: em 1963, num teleteatro apresentado pela TV Tupi e em 1990, na minissérie Mãe de Santo, exibida pela Rede Manchete. Nenhuma telenovela brasileira havia, até então, exibido uma cena semelhante. Previsto originalmente para ser exibida no dia 11 de maio, a cena viria a ser exibida somente no dia seguinte, e causaria um leve acréscimo na audiência média da telenovela.

Reação dos militares
Logo após a estreia, um grupo de militares pediu o fim da exibição da novela ao Ministério Público Federal através de um abaixo-assinado apresentado pelo Portal Militar, por não concordarem com o que estava sendo exibido. Em 18 de abril, o pedido foi arquivado. O autor do abaixo-assinado é José Luiz Dalla Vecchia, membro da diretoria da Associação Beneficente dos Militares Inativos da Aeronáutica (ABMIGAer). O documento acusa o governo federal de ter feito um acordo com o SBT para facilitar a aprovação da Comissão Nacional da Verdade, em troca de anular a dívida do Banco Panamericano, de Silvio Santos, dono da emissora.
De acordo com Thiago Santiago, o abaixo-assinado é “despropositado”, uma vez que “a novela é respeitosa com as Forças Armadas, mostrando herói militar e oficiais democratas, a favor da legalidade”. Ele disse ainda que o argumento de que a novela estaria relacionada com o saneamento do banco PanAmericano também não procede. “A proposta partiu de mim para o SBT e não vice-versa. Comecei os trabalhos antes de saber que havia qualquer problema com o banco e antes de saber também que a presidente Dilma Rousseff seria eleita”, declarou. Santiago ainda disse que a tentativa de querer tirar a novela do ar “interessa apenas aos criminosos, torturadores e assassinos, que violaram as convenções de Genebra, nos chamados anos de chumbo da ditadura militar”.

Na próxima semana tem mais, muito mais!

Novela em Destaque: Você se lembra do fracasso "Amor e Revolução"?

Amor e Revolução é uma telenovela brasileira produzida e exibida pelo SBT de 5 de abril de 2011 a 13 de janeiro de 2012, em 204 capítulos, na faixa as 22h, substituindo a reprise de A História de Ana Raio e Zé Trovão, e sendo substituída por Corações Feridos, engavetada desde 2010, porém, desta vez, a faixa de novelas muda para o horário das 20h30. Escrita por Tiago Santiago, com colaboração de Renata Dias Gomes e Miguel Paiva e com direção de Reynaldo Boury, Luiz Antônio Piá e Marcus Coqueiro e produção-executiva de Sérgio Madureira. É uma obra representativa na história da teledramaturgia do país por ser a primeira telenovela a ter a ditadura militar brasileira como parte central de seu enredo e a exibir um beijo entre duas pessoas do mesmo sexo.
Graziella Schmitt, Cláudio Lins, Thaís Pacholek, Gustavo Haddad, Lúcia Veríssimo, Licurgo Spínola, Patrícia de Sabrit, Reynaldo Gonzaga e Nico Puig interpretam os papéis principais, numa trama que narra uma história de amor entre José Guerra, filho de um militar, e Maria Paixão, líder de um movimento estudantil que combate com forças armadas a ditadura militar no Brasil. O amor de Maria Paixão e José Guerra – proibido por lutarem por causas diferentes – é chamado de “à la Romeu e Julieta”, a famosa peça de teatro escrita pelo poeta William Shakespeare no final do século XVI, na qual dois jovens se apaixonam mas são impedidos de amar pelas famílias que são rivais.
A ditadura militar é o “eixo” principal da trama, segundo o autor, mostra a revolução que aconteceu no país entre os anos 60 até o final dos anos 80, envolvendo a moda, a música, a chegada da televisão na vida da família brasileira e vários outros aspectos que mudaram ao longo desses anos, e o título da novela, Amor e Revolução é correspondente ao amor de Maria Paixão e José Guerra, fora o romance das outras personagens. Foram investidos mais de 25 milhões de reais na produção da telenovela.

Produção
As gravações da novela começaram dia 10 de janeiro de 2011, com um treinamento militar, os atores tiveram aulas sobre como manejar armas e atirar com Sérgio Farjalla Jr., preparador do elenco da grande produção cinematográfica brasileira Tropa de Elite. Para as cenas de ação, os atores aprenderam sobre artes marciais, aulas de expressão corporal e coreografia de luta para a composição de cenas e caracterização de personagens. As gravações se encerraram no dia 26 de agosto de 2011, completando mais de 6 meses de gravações.
Tiago Santiago, de início, pensou em abordar na trama a história do revolucionário Che Guevara, mas não houve acordo com a família do mesmo e a história foi esquecida.
O produtor executivo, Sérgio Madureira sofreu no dia 11 de fevereiro de 2011 sofreu um Acidente Vascular Cerebral e ficou em coma profundo em São Paulo. O produtor acabou falecendo na manhã do dia 30 de março de 2011. Sérgio estava a mais de dois meses em coma e sua morte acabou abalando os atores e os produtores da telenovela.
Os teasers da produção passaram a ser exibidos em 22 de fevereiro de 2011, com 16 segundos de duração, anunciando a produção para abril.

Escolha do elenco
Para escolher a atriz que interpretaria a protagonista Maria Paixão, uma líder estudantil, Tiago Santiago e Reynaldo Boury promoveram ampla busca. Dayenne Mesquita e Alice Braga foram cogitadas para o papel – que acabou ficando para Graziella Schmitt, a única atriz aceita no elenco que precisou fazer testes.
O protagonista, Cláudio Lins já protagonizou a novela Uma Rosa com Amor, adaptada por Tiago. Ele foi exclusivamente convidado para o papel. Tantos outros como Patrícia Dejesus, Joana Limaverde, Luciana Vendramini, Isadora Ribeiro e Gisele Tigre tiveram convite exclusivos e com exceção de Gisele, todas participaram de Uma Rosa com Amor.

Depoimentos
Para encerrar todos os capítulos de Amor e Revolução, foram usados depoimentos de pessoas que sofreram com a ditadura militar entre 1964 a 1985, seu tempo de duração. José Dirceu foi o primeiro a gravar o depoimento, que durou cerca de 70 minutos. O material captado foi elogiado pelo diretor da trama Reynaldo Boury: “Foi maravilhoso, tranquilo”. Dirceu foi um líder estudantil na época, preso no final da década de 1960 e liberado após o sequestro de um embaixador americano arquitetado por guerrilheiros, se exilou na Cuba e após o fim da ditadura virou um político importante. A produção da telenovela aguardou o sinal verde da assessoria da Presidente da República Dilma Roussef, a qual também tem forte identificação com o período político, a mesma negou. Muitos políticos ou apoiadores da causa, na época, negaram dar depoimento, alegando ter medo de que mudem o que falaram na edição do vídeo.
Apartir de julho de 2011, os depoimentos foram tirados do ar. A equipe da telenovela explicou que haviam apenas depoimentos contra o golpe militar, e nenhum a favor, sendo assim, abolindo os depoimentos.

Chamadas
O SBT exibiu, no dia 9 de março de 2011, uma chamada de 5 minutos com cenas da trama, em que resumia toda a história e dizia “Só o SBT tem a coragem de passar a limpo a história recente do nosso país”. A chamada foi vista como um ataque à Rede Globo, acusada de ter apoiado e de ter sido favorecida pela ditadura militar.

Vinheta de abertura
Com o começo da produção em fevereiro, a abertura conta com uma computação gráfica, usando uma técnica para que as pessoas desapareçam. Embalada aos som de “Roda Viva”, pela banda MPB-4, a vinheta de abertura mostra jornalistas, estudantes, políticos, artistas desaparecendo em cena, numa alusão aos desaparecidos ou capturados pelo regime militar.

Amanhã você confere mais sobre essa polêmica novela!

Novela em Destaque: O sucesso global "Guerra dos Sexos"!

 
Guerra dos Sexos foi uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 19 horas pela Rede Globo, entre 6 de junho de 1983 a 6 de janeiro de 1984.
Escrita à quatro mãos por Sílvio de Abreu e Carlos Lombardi, “Guerra dos Sexos” contou com 185 capítulos e abordou, conforme o nome indicava, os conflitos entre homens e mulheres.
Dirigida por Jorge Fernando e Guel Arraes apresentou Fernanda Montenegro, Paulo Autran, Maria Zilda, Glória Menezes, Tarcísio Meira e Lucélia Santos nos papéis principais. Foi reapresentada de 2 de janeiro a 6 de junho de 1989 em uma versão compactada na Sessão Aventura.
EnredoEssa comédia rasgada tem como mote a disputa entre homens e mulheres. Cada grupo tentando provar ao outro sua superioridade. Tudo começa quando os primos Charlô e Otávio (que se tratam pelos apelidos jocosos de Cumbuca e Bimbo e tiveram um tumultuado namoro na adolescência) recebem como herança de seu tio Enrico a cadeia de lojas Charlô’s e a mansão onde moram.
Os atritos entre os primos, tanto em casa como no escritório, tornam essa convivência impossível. Charlô faz a Otávio uma proposta: um dos herdeiros deverá abrir mão de sua parte em nome do outro, numa arriscada aposta de cem dias, período que Charlô e sua equipe têm para elevar o lucro das Lojas Charlô’s (gravada no Shopping Eldorado) em uma percentagem estipulada. Caso contrário ela perde tudo. Começa aí uma verdadeira guerra dos sexos! De um lado, Otávio e Filipe; do outro, Charlô, Roberta Leone e Vânia.
Filipe é filho adotivo de Charlô. Forma com Otávio uma dupla trapaceira e ardilosa, capaz de tudo para impedir o objetivo de Charlô, Roberta e Vânia. Elas, porém, não contam com a traição de Carolina, sobrinha de Roberta e filha do engraçado casal Nieta e Dino. Ela é, na verdade, uma forte aliada de Otávio. A jovem se envolve com Filipe, fazendo-o romper seu antigo romance com a bela Vânia, que tenta desmascarar Carolina a qualquer preço. Otávio e Filipe ainda contarão com a ajuda da ambiciosa Verusca, ex-secretária e amante de Vitório Leone, falecido marido de Roberta.
Já Juliana, filha de Filipe, rompe o caso com o fotógrafo Fábio, por estar apaixonada pelo motorista Nando, disputando-o com a irmã Analu e depois com Roberta Leone, que, mesmo com a diferença de idade, luta para conquistá-lo e consegue.
Cenas da Novela

Semana que vem, 5 da tarde, tem mais!

Novela em Destaque: "Água Viva", da década de 80!

Água Viva foi uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida de 4 de fevereiro a 9 de agosto de 1980. Escrita por Gilberto Braga e Manoel Carlos, foi dirigida por Roberto Talma (que acumulou a direção geral) e Paulo Ubiratan, teve 161 capítulos.
 
Sinopse
A trama gira em torno de Maria Helena, uma pequena órfã que ligará todos os personagens. Atingindo a idade de ser transferida para outro orfanato, Maria Helena sente-se insegura e amedrontada. É um mundo novo, completamente desconhecido, que a espera. A sua única amiga é Suely, uma assistente social, que descobre o seu pai, Nelson, irmão do famoso cirurgião plástico Miguel Fragonard.
Paralelo a isso, Janete é uma moça que não se conforma em ter os pais, Evaldo e Wilma, sustentados pela tia solteirona Irene. Ela se apaixona por Marcos e o sentimento será recíproco, mas terá que enfrentar a ferrenha oposição da megera aristocrática Lourdes Mesquita, mãe de Marcos, que deseja ver o filho casado com Sandra. A vilã, ainda por cima, detesta o genro Edir, marido de sua filha Márcia, ocasionando diversos problemas conjugais. Lourdes é bem diferente de Stella Simpson, uma milionária divertida e excêntrica.
Entretanto, desenrola-se o drama de Lígia, mulher rica e interesseira, casada com o banqueiro Heitor, homem apaixonado pela pesca em alto-mar e amigo de Nelson. Lígia passa por um período de crise com o marido e apaixona-se por Nelson, o oposto do tipo de homem que sempre procurou. É amor à primeira vista. Ela não sabe quem ele é, mas encanta-se com sua aparência de homem rico. Este, por sua vez, oculta a sua real condição financeira. Miguel, sem saber da ligação do seu irmão com Lígia, também se apaixona por esta. E aí começa uma enorme disputa entre os dois. Nesse momento, a órfã volta a entrar em cena, já que Lígia descobre que a garota é filha de Nelson e resolve adotá-la sem ele saber.
 
Curiosidades Água Viva mostrava a vida da classe rica à beira-mar. Era uma novela charmosa recheada de bons personagens.
Água Viva marcou a estréia das novelas de horário nobre no “Vale a Pena Ver de Novo”. A novela seria reprisada em substituição a “Plumas & Paetês”. Na época, a Globo chegou a exibir chamadas de “Água Viva”, mas acabaram desistindo e reprisando “Pecado Rasgado”. “Água Viva” acabou entrando. Reprisada entre 13 de fevereiro e 31 de agosto de 1984, em 145 capítulos, às 13h30, com retumbante sucesso, alcançando a excelente média de 39 pontos no horário. Mesmo índice de Elas por Elas, reprisada nas tardes de 1985.
Beatriz Segall se destacou interpretando sua primeira grande vilã: a aristocrática Lourdes Mesquita.
Tônia Carrero, que inicialmente havia sido escalada para interpretar a megera conquistou o público como a excêntrica milionária Stella Fraga Simpson.
Marcante a cena em que Lígia se fecha com Selma (Tamara Taxman) num banheiro e lhe dá uma surra de tirar o fôlego. Gilberto Braga homenagearia a cena em outra novela sua: Celebridade. Maria Clara Diniz (Malu Mader) dá uma surra em Laura (Cláudia Abreu) num banheiro de uma casa de Shows.
No capítulo 39, em 19 de março de 1980, foi ao ar (implicitamente) o primeiro baseado da TV brasileira! O personagem Alfredo (Fernando Eiras) enrolou tranquilamente seu cigarro de maconha. No script o autor indicava apenas Alfredo arrumando alguma coisa!
Água Viva teve uma versão romanceada, por Leonor Bassères na série de livros, “Sucessos” da Rede Globo.
A trilha sonora nacional foi remasterizada e lançada em CD em 2001, pela Som Livre.
Lucélia Santos fez de sua heroína Janete, um grande sucesso. Tanto, que estampou a capa da revista Playboy, de abril de 1980.